Translate

English French German Italian Russian Spanish

Warning: Parameter 1 to modMainMenuHelper::buildXML() expected to be a reference, value given in /home/defes263/public_html/laad2009/libraries/joomla/cache/handler/callback.php on line 99
  • Decrease font size
  • Reset font size to default
  • Increase font size
Home Notícias REMAX - Ares e CTEx acertam no alvo
REMAX - Ares e CTEx acertam no alvo
Escrito por Vinicius Pimenta e Leonardo Jones   
Qui, 30 de Abril de 2009 01:01

Único equipamento do tipo em desenvolvimento no Hemisfério Sul permite que atirador opere o armamento em segurança de dentro da viatura blindada

REMAX em exibição no estande do CTEx. Foto: Vinicius Pimenta/DBA empresa brasileira Ares e o Centro Tecnológico do Exército (CTEx) apresentaram na LAAD o REMAX - Reparo de Metralhadora Automatizado X. O produto estava em exposição no estande do CTEx e no mock-up da nova VBTP-MR. Único sistema de armas de sua modalidade em desenvolvimento em países ao sul do Equador, o REMAX é, segundo nomenclatura internacional, uma estação de armas remotamente controlada (Remotely Controlled Weapon Station), equipada com visão noturna e capaz de receber armamentos diversos como metralhadoras calibre 7,62mm e .50’’.

Instalado em qualquer viatura blindada brasileira atual como o Urutu e o M-113 ou nas futuras VBTP-MR, além de qualquer veículo internacional em operação ou em projeto, o sistema permite ao atirador a operação segura do armamento, já que o militar permanece no interior da viatura e não do lado de fora, exposto a ataques inimigos. O REMAX possibilita a observação da região de combate em 360°, a busca e identificação de alvos e a realização da pontaria e do tiro com campo vertical de -20° a 60°. Essas operações são controladas por intermédio de um monitor e de uma alavanca de manejo e podem ser realizadas de dia ou à noite, utilizando para isso um sistema ótico completo, equipado inclusive com uma câmera térmica.

O projeto teve início em 2006 e foi o primeiro conduzido pelo CTEx na área de armamento e munição a empregar a tecnologia de plataformas servo-estabilizadas em sistemas de armas. Desde então, o REMAX foi desenvolvido em quatro fases, que gradativamente incrementaram a capacidade do produto. Na Fase I, o sistema permitia a realização de tiro diurno com metralhadora .50’’. A Fase II consistiu na integração com a metralhadora 7,62mm. O equipamento de visão noturna foi integrado na Fase III, enquanto a Fase IV estabilizou o sistema de forma a permitir o tiro com a viatura em movimento. Além de metralhadoras calibre 7,62 ou .50’’, as tecnologias presentes no REMAX permitirão também a instalação de um Lançador Automático de Granadas 40mm (LAG).

REMAX em exibição instalada no mock-up da nova VBTP-MR. Foto: Lucas Lacaz Ruiz/DBA produção do primeiro protótipo terminou em 2008, quando o REMAX foi testado pelo Centro de Avaliação do Exército (CAEx). Na LAAD 2009, dos dois sistemas em exposição, um deles estava instalado no mock-up da nova VBTP-MR, enquanto o segundo, instalado no estande do CTEx, estava ligado e mostrando o que é capaz.

Com um monitor exibindo as imagens dos sensores da torre, um painel de controle e dois joysticks, um operador da Ares demonstrava as capacidades do REMAX. Sua câmera transmite uma imagem de excelente qualidade e com um grande zoom. A imagem pode ser alterada para a do visor térmico com um simples toque de botão, transmitindo uma imagem de igual qualidade, que garante a visibilidade em condições de baixa ou nenhuma luz.

O repórter do Defesa Brasil Leonardo Jones teve oportunidade de testar o equipamento e contou suas impressões:

“O controle da torre é muito simples. Eu tive a oportunidade de operá-la por alguns minutos e tive a nítida sensação de que o pessoal da Ares e do CTEx acertou em cheio na sensibilidade e precisão de seus movimentos.  Ela se move no exato instante em que você pressiona o botão e para no momento que você solta. Nem mais, nem menos, sem deixar a torre com um movimento meio “desengonçado” observado em torres similares estrangeiras em exposição na feira e que também pude testar. O controle também altera a velocidade de giro de acordo com a pressão que se exerce, tendo uma resposta muito boa e sensível às ações do operador. Novamente, me pareceu uma resposta melhor que as torres “concorrentes”.  É provavelmente um sistema mais intuitivo, que exija menos treinamento até que se pegue a prática e, portanto, bem adequado à realidade brasileira.”

De acordo com a Ares, o desenvolvimento do REMAX já está concluído. A partir de agora, serão feitas pequenas modificações com o intuito de diminuir o peso total do sistema, melhorando assim seu desempenho. O primeiro operador deve ser o próprio Exército Brasileiro, mas o produto já despertou interesse de clientes externos.
 

Assista ao vídeo do equipamento em operação:


 

Novidades Por E-mail

Receba diariamente as novidades do site. Insira seu endereço de e-mail e cadastre-se agora: